Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Fotos exclusivas mostram área de onde saiu tiro que atingiu MC Daleste

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Man

avatar
Membro
               

Imagens feitas por um dos melhores amigos do funkeiro MC Daleste, de cima do palco onde o músico se apresentava quando foi assassinado, em Campinas (SP), mostram com nitidez a plateia do show justamente do ângulo de onde teria partido o disparo que atingiu o cantor no dia 7 de julho. Para o perito Nelson Massini, as fotos, obtidas com exclusividade pelo Fantástico, serão “fundamentais” para identificar o autor do crime.

Renato Avaia era amigo e fã do funkeiro e conta que, na noite da morte de Daleste, fez 18 imagens usando uma câmera dada pelo próprio músico a ele como presente. Uma das imagens mostra o MC segundos antes dele ser atingido. “Ele foi para o meu lado, eu fui mais para trás, tirei a foto. Foi a hora que o cara atirou”, lembra o fotógrafo.

Além desta, as outras 17 fotografias feitas de cima do palco mostram com nitidez e em alta resolução o público. O especialista Nelson Massini explica que pelos pontos de perfuração da bala no palco e a localização do cantor, é possível concluir de que região na plateia partiram os disparos. E, de acordo com ele, pela localização de Avaia no momento dos cliques, as fotos dele certamente capturaram a presença do assassino no local.

"De todo o material que eu examinei, essas fotos são absolutamente fundamentais. Elas retratam e certamente revelam o assassino disperso aí nessa multidão. Pela qualidade e pela abrangência que esse grupo de fotos faz, é possível aproximar [a imagem]. Essas fotos realmente vão dar a grande contribuição para que a gente chegue aos homicidas", conclui.
Amigo de MC Daleste fez imagens da plateia da área de onde o tiro que matou funkeiro teria saído (Foto: Reprodução / TV Globo)Amigo de MC Daleste fez imagens da área da plateia de onde o tiro teria saído (Foto: Reprodução / TV Globo)

Último diálogo
Os próprios amigos socorreram Daleste após o tiro porque não havia polícia nem ambulância no local. Eles contam que não sabiam para onde levá-lo e, por isso, demoraram quase meia-hora para chegar até o Hospital de Paulínia. Neste período, o músico estava consciente e os colegas contam os últimos diálogos que tiveram com ele, além do desespero de assistir à piora do estado de saúde dele no passar do tempo.

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum